A loucura me sublima

30
Dez 10

A última manhã do ano se desenha na janela da minha sala.
O arrebol se prenuncia na linha do horizonte do mar.
Meus olhos refletem o início da vermelhidão do mundo.
Sou o mais iluminado dos seres.
Não sei o que fazer com tanta beleza.
É tanta que dói.
A cidade dorme indiferente.
Ninguém se importa mais com arrebóis.
Só os insones de plantão.
E amanhã o ano não será mais o mesmo.
Mas as manhãs continuarão nascendo... as mesmas.
E eu estarei aqui... o mesmo.
E as manhãs jamais nascerão sozinhas.
Serei sempre a testemunha dos seus partos de luz.
E ficarei extasiado todos os dias.
Como se fosse sempre a primeira vez.

Publicado por Antonio Medeiro às 08:12

Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
31


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO