A loucura me sublima

18
Ago 11

Eu sempre me ponho no meu lugar.
Jamais atravesso a fronteira do que eu posso ser.
Aprendi nos mínimos detalhes o limite imposto às pessoas menores.
Os grandes homens atravessam pontes em ruínas cheios de pompas.
Eu mal atravesso uma ponte de puro concreto sem certo ar de preocupação.
Me ensinaram a ser pequeno.
A rastejar por entre as botas brilhantes dos que impõem a ordem do mundo.
Me teceram como um capacho.
E cumpro com exata perfeição a minha função no mundo: servir.
Com a boca fechada, os braços abertos...
Com um sorriso amarelo nos lábios...
E o rabo entre as pernas.

Publicado por Antonio Medeiro às 14:09

Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO