A loucura me sublima

15
Set 11

Era claro e cristalino o meu olhar naquela tarde.
Brilhos, luzes, lusco-fusco, a terra com suas metáforas surreais.
A vida não se opõe aos encantamentos naturais.
Até contribui para que eles aconteçam continuamente eternidade afora.
Eu não sou homem que gosta de pouca beleza.
A minha beleza deve extrapolar os limites dos meus olhos claros e cristalinos.
Devo enxergar, com magia, os feixes de luz do exato momento crepuscular.
Senão não há beleza, é apenas paisagem vista por qualquer olho opaco e cego.
É o que eu acho do obscurantismo da beleza da modernidade.
Tudo é efêmero e repetitivo tranvestido com tolas criatividades.
A tarde não se disfarça, não cria nada.
E não repete nunca a mesma vestimenta há séculos.
É única e inimitável.
E claro e cristalino era o meu olhar naquela tarde.
A minha alma novamente em êxtase.

Publicado por Antonio Medeiro às 19:30

Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
30


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO