A loucura me sublima

26
Jan 12

Solitário, encaro a plúmbea manhã; o silêncio ao meu lado.
O inseto voraz e insensível rasteja pelas frestas do meu coração.
E vai me fazendo amargo.
Não enxergo beleza no mundo, apenas a feiura explícita na manhã ancorada na feia cidade.
Estou no 1/2 do nada, a cara amassada na solidez da muralha escura do horizonte dos meus olhos.
Dentro deles o oceano escuro e ameaçador, a fúria do vento e das ondas.
Faz 3 dias que a tormenta atormenta a minha alma.
As águas começam a transbordar e chegam às bordas dos meus olhos.
E escorrem feito uma morte líquida pelo meu corpo calado.
Nada muda.
Solitário, encaro a plúmbea manhã; o silêncio ao meu lado.
O inseto voraz e insensível mastiga o resto do meu amargo coração.
E as águas escorrem...

TõeRoberto

Publicado por Antonio Medeiro às 18:03

Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO