A loucura me sublima

09
Fev 12

No calor da noite, o suor escorre em gotas geladas.
O sono se foi, como todas as noites.
As lembranças, facas enfiadas no coração.
Eu, a solidão, paredes ameaçadoras.
Os velhos pecados afloram, se agarram ao meu remorso.
Sinto-me sufocado.
Carrego pesados pecados desde a infância.
Não há como pagá-los; a maioria prescreveu.
A mim resta remoê-los todas as noites.
São como aves noturnas.
Vêm e sentam-se na janela da minha alma
Ficam me olhando por dentro com ar de reprovação.
São dos mais variados tons de escuro.
E todas as noites, penso a mesma coisa:
Eu não sabia que os pecados tinham cores.
E que é impossível remir as cicatrizes causadas por eles.

TõeRoberto

Publicado por Antonio Medeiro às 18:02

Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO