A loucura me sublima

28
Abr 12

Corrói-me a alma, a tristeza.
A tristeza das cores que se foram com os anos.
Tudo é triste, nada mais triste.
A tristeza da tarde é quadro de solitária precisão.
Meus olhos, alinhados à tarde, são sombras de brilhos.
A cidade em que piso é plúmbea.
Os homens, pedras cravadas no concreto.
Pincelo palavras nos rostos endurecidos.
Pinto de cinza as delicadezas.
Redesenho o espaço à minha maneira.
Repasso ao todo, com maestria, o meu senso de tristeza.
Dou o meu toque de apatia nas paredes mortas das ruas.
Sou o poeta do caos sem cores.
Dou o último retoque no sol.
Nunca mais há de brilhar.

TõeRoberto 

Publicado por Antonio Medeiro às 20:07

Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27

29
30


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO