A loucura me sublima

17
Out 09

Não há nada mais humano que não saber.
É o exercício mais antigo da minha insignificância.
Às vezes não sei tudo de nada, outras não sei nada de tudo.
O sonho me leva aos primórdios do meu inútil conhecimento.
Sou uma brisa lenta atravessando os campos.
Canto cantigas numa estrada antiga.
Rabisco letras sem sentido na poeira densa dos escombros adormecidos.
Espalho papiros pela nudez da paisagem.
Acordo sempre nulo.
Sou apenas um poeta que não sabe.
E escreve o poema de todas as vidas.
Numa língua morta.

Publicado por Antonio Medeiro às 10:53

comentário:
DESCULPE... NÃO HÁ LÍNGUAS MORTAS... SÓ CÉREBROS AMODORRADOS...!
SAUDAÇÕES CORDIAIS.
Rosinda a 18 de Outubro de 2009 às 14:23

Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13


26
27
29
30


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO