A loucura me sublima

19
Ago 10

Lembro-me como se fosse hoje.
Era uma manhã como outra qualquer.
Escovei os dentes de todas as manhãs.
Levantei-me, tomei o banho de todas as manhãs.
Engoli o café de todas as manhãs.
Olhei pela janela como fazia todas as manhãs.
Depois, caminhei até o meu cofre de aço - sempre mantive um cofre de aço para guardar com segurança tudo o que eu achava importante -, abri a porta do cofre de aço e peguei outro cofrezinho de aço que lá dentro estava.
Tirei a camisa, peguei a faca, abri o peito, arranquei o meu coração e o guardei dentro do cofrezinho de aço.
Coloquei o cofrezinho de aço dentro do cofre de aço, fechei a porta, apaguei da memória a combinação do cofre de aço e saí para o mundo naquela tão distante manhã.
E nunca mais vi o meu coração.
Que bate em algum lugar do mundo.
Longe de todas as patéticas mazelas existenciais.
Em paz!

Publicado por Antonio Medeiro às 09:10

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO
subscrever feeds