A loucura me sublima

20
Jan 11

Da janela do meu apartamento, olho o horizonte e aguardo.
Observo atentamente a minúscula linha que a minha vista alcança.
Não sei o que é, mas sei que alguma coisa de lá virá.
Aguardo um vulto, um sinal ou um Deus que caminhará sobre as águas e virá ao meu encontro.
No momento padeço de real surrealidade.
Posso tanto criar asas e voar pela manhã indiferente ou me afundar no duro concreto da minha sala.
Mas com os olhos sempre na linha do horizonte.
É de lá que virá a ordem para o meu próximo passo, o mapa do meu norte ou a orientação para a minha total falta de rumo.
Os olhos estão fixos, não arredo pé da minha visão infinitamente esperançosa, não abro mão da minha paciente espera, do meu êxtase delirante.
A não ser que alguém feche as cortinas e me acorde para a minha insuportável realidade.
E coloque em minhas mãos a arma para a solução final.

Publicado por Antonio Medeiro às 09:34

Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO