A loucura me sublima

22
Set 11

O que posso dizer de mim sentado na solidão do cais?
O que posso saber dos navios que vêm e vão para lugares que só eles sabem?
O que posso escrever na parede do horizonte, tão nua e indiferente?
Quem sou eu dentro dessa paisagem enigmática, em que chegadas, partidas, silêncio e indiferença se locupletam num quadro?
Um mero espectador?
Um personagem que não consegue se enxergar como personagem?
Ou um criador da paisagem com os meus olhos carentes de metáforas?
Estico o dedo e tento alcançar a longínqua parede do horizonte... queria escrever um poema.
Um poema dedicado ao momento desse momento.
Um poema simétrico que me rimasse com o momento, me integrasse à síntese da paisagem. 
Lucidez?
Loucura?
Ou apenas um homem cravado na pedra do porto com suas raízes de ferro...
À procura de si mesmo.

Publicado por Antonio Medeiro às 19:30

Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
30


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO