A loucura me sublima

02
Fev 12

Há pouco tempo eu era pessoa sem manchas.
Puro como o sol da manhã, puro como a lua que nasce.
E me orgulhava da minha pureza.
Andava pelas ruas exibindo minha pessoa sem manchas, minha pureza de caráter.
E todos ficavam admirados ao ver homem tão ilibado.
Até que naquela manhã manchei com a nódoa da omissão minha pureza sem manchas.
Diante de diversos cidadãos sujos e esfomeados deitados numa praça, pensei:
O que fazer?
A vida é assim mesmo, não posso fazer nada.
Virei as costas, saí com a alma leve destituída de nenhuma culpa.
À noite, dormindo o sono dos puros, ouvi a voz do fantasma da minha pureza perdida em olhos famintos:
Quando o homem começa a mentir para si mesmo é porque está em plena metamorfose.
Ou está adorando Deus ou o Diabo.
Ou mais provável: os dois juntos.
No sono, fechei os olhos; céu e inferno rodopiavam dentro da minha cabeça.
E eu me senti deploravelmente sujo.

TõeRoberto

Publicado por Antonio Medeiro às 18:13

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO
subscrever feeds