A loucura me sublima

15
Abr 10

Por onde andei não vi sinal de ânimo.
Apenas um desânimo generalizado circulava pelas ruas.
Pessoas cabisbaixas, apressadas...
Algumas escondendo a dor estampada no rosto com as mãos.
Outras se esquivando pelos becos.
Olhei para as ruas, as construções, as praças, o horizonte...
Havia algo na alma da cidade.
Uma enorme e vergonhosa mancha vermelha.
O som das sirenes recortava o ar.
Mais as pessoas se apressavam, escondiam o rosto, se enfurnavam nos edifícios.
A vida não está mais nas ruas.
Está encarcerada atrás das grades da cidade sitiada pelo medo.
O grande, onipotente e onipresente medo!

Publicado por Antonio Medeiro às 10:28

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
30


Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
Posts mais comentados
2 comentários
2 comentários
1 cometário
blogs SAPO
subscrever feeds