A loucura me sublima

13
Out 11

Escolado, esfolado vivo muitas vezes, represento a casta dos desrespeitados.
Não há mais limites para o desrespeito contínuo do homem contra o homem.
Na cidade, trituradora de almas, caminho sob olhares de reprovação simplesmente porque gritei NÃO!
E gritei o não universal, aquele que está engasgado na garganta de todos os desrespeitados do mundo.
Os próprios desrespeitados repudiaram o meu grito, porque não têm noção da falta de respeito para com eles e porque também desrespeitam o outro homem.
A engrenagem é perfeita.
Não deixa margem de dúvida para ninguém pensar que faz parte dela.
Eu faço e não faço parte dela.
Meu corpo está lá, o meu eu está aqui.
E sempre grito NÃO!
NÃO! NÃO! e NÃO!
E peço a todos que me cercam uma atitude clara e simples:
Não me odeiem nem me amem.
Apenas me respeitem.
Agradeço respeitosamente.

Publicado por Antonio Medeiro às 19:30

Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


Posts recentes

Engrenagem

Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
blogs SAPO