A loucura me sublima

05
Ago 10

Hoje subi na janela do 12º andar da janela do meu apartamento e medi a distância até o chão.
Contei as balas do meu 38.
Afiei as minhas 11 facas com infinita paciência.
Testei a resistência da corda pendurada no gancho da rede.
Liguei o gás por uns segundos e atentei para o seu cheiro silencioso.
Tirei a lâmpada e olhei demoradamente para o soquete ameaçador.
Enchi o tanque com água...
E olhei para a embalagem de veneno para ratos... e nada!
Há anos ensaio com extrema competência a minha incompetência para fugir do mundo.
Mas é impossível!
Sou ansiosamente agoniado com a vida.
Sou angustiadamente apaixonado pela vida.
E gente assim não se mata.
Sai por aí escrevendo poesias, compondo músicas, fazendo todos os tipos de arte, bebendo e fumando como um condenado.
Sai por aí se matando de amor, de tesão por tudo quanto é coisa ruim e boa da vida.
Sai por aí voando, rastejando, andando... morrendo e vivendo aos poucos.
Sai por aí vivendo feito louco como se a vida e a morte fossem as únicas coisas importantes da vida.

Publicado por Antonio Medeiro às 11:27

Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


Posts recentes

Ensaio

Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
blogs SAPO