A loucura me sublima

08
Abr 11

Não há mais tempo pra nada.
Preciso chegar ao meu limite amanhã.
O amanhã é o meu limite.
Depois de amanhã é outra dimensão.
Não pertenço a ela.
Nunca atravessarei a linha que separa o amanhã do depois de amanhã.
As portas do tempo são implacáveis.
As chaves são pesadas, os porteiros não são amáveis.
No meu limite, o amanhã, sobreviverei a mim mesmo.
Me alimentando dos dias de espera e desilusão.
A vida não é complacente com os esperançosos nem com os desiludidos.
Apenas cumpre o seu dever de vida e determina limites.
O meu é o amanhã.
E se lá chegar, dele só sairei carregado pelo vento da eternidade junto com as folhas secas do outono.
Que chegarão aos seus limites naturais e partirão.
Conscientes dos novos rebentos que chegarão no início da primavera.
Já com todas as linhas dos novos limites delineadas.
Inclusive a do novo amanhã.

Publicado por Antonio Medeiro às 03:07

Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


Posts recentes

Limite

Pesquisar
 
Comentários recentes
Gostei muito do texto! Parabéns!
...''Novamente vou partir à procura da felicidade....
"Tu és pó e ao pó "reverteres" Em verdade é só iss...
Meu amigo, se deixar-mos a vida nos levar, poderem...
Gostei do novo visual do blog... E tenho gostado s...
blogs SAPO